Nossa História


Era uma quarta-feira do ano de 1982 e a Fundação Beneficência Hospital de Cirurgia foi o cenário para o início dessa bela história. Maria Ruth Wynne Cardoso, mais conhecida por Tia Ruth, era uma dona de casa dedicada que resolveu destinar um pouco do seu tempo a ajudar ao próximo. Perto da sua casa ficava o hospital de Cirurgia e foi lá que tudo começou.

Tia Ruth passou a realizar visitas constantes aos pacientes internados no hospital. O setor de oncologia mexeu muito com os sentimentos da dona de casa. Ela via naqueles pacientes muitas necessidades a serem supridas. A partir de então, ela começou a atuar no setor levando agasalhos, lanches e palavras de conforto e carinho. Para essa missão, Tia Ruth contava com a ajuda preciosa de alguns amigos.

O tempo foi passando e a observação rotineira fez com que Tia Ruth percebesse as carências e o sofrimento de alguns pacientes que vinham do interior de Sergipe e de estados vizinhos para se tratar aqui. Muitas vezes essas pessoas precisavam esperar por um leito ou mesmo quando recebiam alta hospitalar, não tinham para onde ir e ficavam pelas calçadas do hospital esperando um transporte. Era muito comum pais e crianças pernoitarem por ali. Foram cenas assim que fizeram Tia Ruth abrir as portas de sua casa para acolher essas pessoas carentes. A sua residência funcionou informalmente como a primeira Casa de Apoio.

Mais pessoas se juntaram a causa ao longo do tempo e aos poucos um grupo foi se formando e conquistando o reconhecimento da comunidade, que ajudava doando roupas e mantimentos. Eram 17 pessoas trabalhando em prol de um único objetivo: ajudar e acolher pacientes oncológicos carentes.

Com tamanha proporção, o grupo sentiu a necessidade de oficializar esse trabalho. Foi em 24 de julho de 1987, após uma reunião na casa de Tia Ruth que a Associação de Voluntários a Serviço da Oncologia em Sergipe, Avosos, foi fundada. Neste dia estavam presentes Tia Ruth, Anna Lobão, Jeane Vieira, Wilson Melo, Judite Lobão, Inah Leão, Marlene Andrade, Marcelo Andrade, Silvia Maciel, Dilma de Souza e Nivalina Brás.

A partir de então, a Avosos acolhia pacientes com câncer e seus acompanhantes na Casa de Tia Ruth que passou a funcionar como sede provisória da associação. O abrigo que antes era apenas informal passa a ser sede temporária da entidade.

 

Desafios

Depois de fundada a instituição os desafios continuaram. Os voluntários realizavam visitas domiciliares levando palavras amigas, faziam campanhas de esclarecimento sobre o câncer infantojuvenil e arrecadavam donativos. O grupo atuava na Casa de Apoio e continuava com as visitas ao hospital, afinal, os pacientes precisavam de suporte e carinho. Naquela época muitas crianças e adolescentes abandonavam o tratamento devido às dificuldades financeiras e sociais para locomoção, alimentação, hospedagem e até mesmo pela falta de estrutura do hospital. Hoje, com o auxílio da Avosos a taxa de abandono foi reduzida a zero.

Em 1988, a Avosos conquistou sua primeira sede oficial em virtude da generosidade de uma voluntária.

Seis anos depois, em 1992, a instituição recebeu a generosa doação de uma casa, feita por um casal amigo através do intermédio da voluntária Telma Andrade. Mais ampla e confortável o local proporcionava mais comodidade aos pacientes e seus acompanhantes. A entidade começava a se desenvolver e oferecer melhores condições aos seus assistidos. A partir daí a Avosos passou a atender apenas crianças e adolescentes com câncer. Foi assim que nasceu a Casa de Apoio a Criança com Câncer Tia Ruth/Avosos.

Uma prova do reconhecimento do trabalho da instituição com os portadores de câncer no Estado, veio no ano de 1996 com o convite da Secretaria Estadual de Saúde, SES, e da direção do Hospital Governador João Alves Filho, HGJAF, atual Hospital de Urgência de Sergipe, HUSE, a implantar e administrar um serviço médico ambulatorial na área de oncologia do hospital. Além disso, a entidade assumiu o internamento sem receber nada da SES pelo atendimento hospitalar.

Mais um objetivo foi alcançado pela instituição no ano seguinte. A Avosos inaugurou a Unidade Dr. Jorge Marsillac que realizava tratamento do câncer em nível ambulatorial através de convênios. A renda ajudava a suprir as necessidades do setor oncológico do HGJAF e os trabalhos assistenciais da Casa de Apoio.

A Avosos administrou o setor de oncologia do HGJAF por quatro anos. Durante esse período o Centro de Oncologia da Unidade de Saúde consolidou-se referência regional no tratamento oncológico. No ano de 2000 a coordenação do HGJAF foi passada para Secretaria Estadual de Saúde. Mesmo não estando mais a frente da administração do hospital, a instituição continuou presente, levando lanches, palavras amigas aos pacientes oncológicos e dando todo o suporte na falta de medicamentos e de exames para as crianças e adolescentes tratados no setor.

 

Mudanças

Com mais de 10 anos de caminhada e novos desafios a superar a instituição passou por algumas mudanças físicas e estruturais. Mais uma nova sede em 2000. Agora mais ampla, com maior número de voluntários e profissionais constituindo a equipe multidisciplinar da entidade para melhor atender seus assistidos.

A captação de recursos também foi intensificada com a implantação do serviço de telemarketing na sede, para divulgar e arrecadar mais fundos para a Avosos. No ano seguinte, os atendimentos foram ampliados passando a atender pacientes com doenças hematológicas crônicas.

Em 2004 fundadores, voluntários e assistidos puderam presenciar a concretização de um sonho. A associação inaugurava sua sede própria: O complexo Avosos composto pela Casa Tia Ruth de Apoio a Criança com Câncer/Avosos e o Centro de Oncologia Dr. José Geraldo Dantas Bezerra antes denominado Dr. Jorge de Marsillac.

Os recursos para a construção do complexo Avosos foram doados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, BNDES, com financiamento não reembolsável da área social. Também contribuíram para a construção da sede própria o Instituto Ronald Mcdonald e McDia Feliz. Já o Centro de Oncologia foi construído com recursos próprios. A mobília da Casa de Apoio teve a contribuição da Construtora Celi e do Banco do Estado de Sergipe, Banese.

O caminho continuou sendo percorrido, muitas necessidades atendidas e mais um projeto colocado em prática. Em 2010, a Avosos inaugurou o Serviço de Oncologia e Hematologia Pediátrica – SOHEP – para somar forças no combate do câncer infantojuvenil. Atualmente, a entidade presta apoio aos casos suspeitos da doença encaminhados pelo Centro de Oncologia do HUSE.

Foi um longo processo de conquistas, lutas, perdas e muitas vitórias.